Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Subsídios históricos do Sítio Mulungu

Por Geraldo Fernandes 

Capela do Sítio Mulungu. Foto: Jotta Maria 

O Mulungu é uma das comunidades mais antigas do município de Felipe Guerra, sendo ela encravada dentro das datas do "Bom Sucesso". Os primeiros registros desta comunidade foram no dia 14 de janeiro de 1788, quando Domingos Fernandes de Sousa e Felix Antonio de Sousa recebiam uma concessão de Carta de datas e sesmaria passada pelo Capitão-Mór, José Barbosa Gouveia, dando-lhes trés léguas de terras de cumprido por uma de largura, começando no "Pau do Tapuio" e terminando estas terras do Bom Sucesso para parte do Jaguaribe já extremando com o Estado do Ceará. 

O nome Mulungu surgiu por conta da dita árvore, pois essas espécies de plantas chamadas popularmente de "Mulungu" ou "eritrina", era muito comum na nossa região. Ela encontrava-se facilmente em toda a chapada do Apodi. Seu tamanho pode variar muito, mas são árvores de médio à grande porte.

Uma das pessoas de maior destaque desta comunidade foi Elisa Ferreira de Freitas, para se ter uma ideia no ano de 1921, ela foi apontada pelo censo realizado através do Ministério da Indústria e Comércio, como sendo a primeira mulher a ser dona de todas as terras do Sítio Mulungu, uma das mais ricas da Ribeira do Apodi. Hoje essa comunidade é uma das mais próspera de nosso município,  haja visto que a mesma fica no meio da Br 405, com acesso para qualquer lugar do Brasil.  Uma das belezas daquela comunidade é o açude que fica no Riacho do Tapuio,  segundo estimativa, tal açude tem sua capacidade de armazenar 100 mil metros cúbicos de água. O açude foi construído em 1979, juntamente com a construção da Br 405. O padroeiro da vila  é São Francisco, e a capela foi construída no ano de 1962. 

Fonte: Censo do Ministério da Indústria e Comércio de 1921. 

Geraldo Fernandes é Historiador/Pesquisador, poeta e Membro da Academia Apodiense de Letras(AAPOL).

domingo, 16 de abril de 2017

A Instalação do Município de Felipe Guerra

Por Geraldo Fernandes


No dia 25 de outubro de 1964, às 19 horas realizava-se a sessão de instalação do município de Felipe Guerra, sob a presidência do Sr. Isauro Camilo de Oliveira, prefeito do município de Apodi. Também estavam presentes os seguintes senhores: José Antônio da Silva, Dr. Eilson Gurgel do Amaral, Luiz Alves de Oliveira, e um grande número de populares. Após declarar aberta a sessão, o Sr. presidente, declarou instalado o município de Felipe Guerra, logo em seguida foi empossado para o cargo de prefeito municipal o Coronel da Policia Militar, José Antônio de Silva, nomeado por ato do Governador Aluízio Alves, de acordo com art. n°3 da lei n°3.041, de 27 de dezembro de 1963, conforme portaria de 16 de junho de 1964. Usou a palavra o senhor Eilson Gurgel do Amaral, tendo o senhor prefeito recém empossado usado a palavra para agradecer a homenagem, não havendo mais nada a tratar o senhor presidente deu por encerrada a presente reunião. 

Veja quem mais se encontrava presente nesse dia histórico do nosso município: 

JOSÉ FIRMO DO PATROCÍNIO, ARI ARES DE AMORIM, RAIMUNDO JULIÃO DE GÓIS, RAIMUNDO CABRAL, SIMÃO DE GÓIS, CÁSSIO GURGEL DE BRITO, PACIFICO PINTO BARRA, JOSÉ DIOGENES, FRANCISCO CHAGAS DA SILVA, MANOEL JOAQUIM DE SANTANA, FRANCISCO DE ASSIS GURGEL, DANIEL EUZÉBIO, LOURIVAL DE SOUSA BARRA, OLIVAR CARLOS BARRA, JOSÉ PINTO BARRA, JOEL CANELA FILHO, VALDOMIRO ALVES DA SILVA, PEDRO ALVES DA SILVA, BERENICE MACEDO, MARIA ALVANIR TAVARES, MARIA DE BRITO GUERRA, EROTILDE DE ALMEIDA, RAFAEL GURGEL DE BRITO, SEBASTIÃO PASCOAL DA COSTA, BENEDITO FRAGOSO, PAULO BARRA FILHO, JOAQUIM BARBOSA DE LIRA, FRANCISCO HENRIQUE DE OLIVEIRA, MANOEL VALENTIM DE OLIVEIRA, JOSÉ MARCOLINO, JOSÉ FIRMINO DE OLIVEIRA, RAIMUNDO GURGEL FILHO, JOSÉ RICARTE, SEBASTIÃO DOMINGOS DO ROSARIO, MARTINS SILVINO, MIGUEL JULIÃO DE GÓIS, PAULO FRANCISCO DO NASCIMENTO, MARIA RITA GURGEL, CÂNDIDO PASCOAL DA COSTA, JOSÉ MARIA DA SILVA.

Fonte: Ata da Câmara Municipal de Felipe Guerra do dia 25 de outubro de 1964. 

Geraldo Fernandes é Historiador/Pesquisador, poeta e Membro da Academia Apodiense de Letras(AAPOL).

domingo, 9 de abril de 2017

Max Morais - vereador


MAX IRAN DE MORAIS, nasceu na Maternidade Claudina Pinto  no dia 20 de outubro de 1989, no município de Apodi/RN, mas reside desde a sua infância no Sítio Santana, comunidade rural de Felipe Guerra/RN. É filho de  Izais Iran de Morais e Martilene Valentim de Morais. 

Começou a estudar aos 02 anos de idade, na creche comunitária de Santana, logo depois passou a frequentar a Escola Isolada  nessa mesma comunidade, onde cursou do 1º ao 5° ano. Devido a sua comunidade não ofertar o ensino fundamental completo, estudou do 6º ao 9º ano na Escola Municipal Professor Francisco de Acací Viana, no Sítio Mariana, municipio de Caraúbas/RN, até o ano de 2004.  Acordava de 05 horas da manhã para deslocar-se até a comunidade de Mariana, utilizando uma bicicleta como meio de transporte e muitas vezes percorria o trajeto a pé.

Desde pequeno, quando tinha apenas 08 anos de idade, Max já tinha vontade em ajudar a contribuir com a renda de sua família, vendendo verduras e fazendo vassouras de palha quando retornava da escola.

Cursou todo o ensino médio na Escola Estadual Antônio Francisco em Felipe Guerra, concluindo no ano de 2007. 

Estudou na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte(UERN), no Campus de Mossoró, onde fez alguns períodos do curso de Economia. Também cursou Matemática e Ciência da Computação na Universidade Federal Rural do Semi-Árido(UFERSA), na cidade de Caraúbas/RN. Entretanto, não concluiu nenhum destes por não está identificado com os cursos.

Atualmente, está fazendo  o curso técnico em Agronegócio pelo SENAR RN em Apodi/RN em uma parceria com o sindicato, com previsão de conclusão para este ano. Como filho de agricultores, Max sempre se identificava com essa área, por isso optou por escolher o curso de Agronegócio.      

Max foi Bolsista do programa PIBID da UFERSA e bolsista da EMATER RN.
Foi Monitor do Projeto Mova Brasil, projeto destinado para jovens e adultos não alfabetizados;

Foi o fundador  da  Associação dos Produtores Rurais da Comunidade de Santana(APRUCS), entidade fundada no ano de 2010, sendo eleito na época o primeiro presidente dessa entidade, e reeleito para mais um mandato no ano de 2013.

Durante o período em que esteve a frente da APRUCS diversas atividades foram realizadas em prol da melhora de sua comunidade, dentre elas podem ser citadas: natal solidário, páscoa feliz, arraial comunitário, distribuição de cestas básicas, a volta da Visão Mundial, indústria de lacticínios pelo RN Sustentável, ações voltadas na área da saúde, entre outras.

Foi membro do Partido do Movimento Democrático Brasileiro(PMDB) entre 2012 e 2015, chegando a exercer a função de Presidente da Juventude PMDB de Felipe Guerra. Também fez parte da comissão estadual do partido.

Em 2015, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro(PTB), e no seguinte teve que se afastar da presidência da APRUCS para disputar o cargo de vereador. Decidiu disputar aquele cargo eletivo já que sentia que sua comunidade necessitava de uma pessoa que lutasse por mais  melhorias  que atendessem os moradores de Santana e demais comunidades rurais.

No dia 02 de outubro de 2016, Max Morais foi eleito o vereador mais votado de Felipe Guerra, obtendo 509 votos. Foi empossado no cargo no dia 01º de janeiro de 2017 para o quadriênio 2017/2020. Agora empossado no cargo Max espera cumprir o papel de representar o povo, elaborando projetos que tragam benefícios para o Sítio Santana, bem como para o município de Felipe Guerra. 

sábado, 1 de abril de 2017

A Família Ponciano

Por Geraldo Fernandes 



A numerosa família Ponciano do Sítio São Lourenço , tem suas origens na pessoa de Manoel Ponciano Bezerra, nascido em 1818 no dito lugarejo,  casado com Tereza Maria da Conceição tendo ela falecida no dia 13 de agosto de 1908, aos 90 anos de idade. Já Manoel Ponciano faleceu no dia 18 de setembro de 1905, com 86 anos.

O casal deixou os seguinte filhos: 

1° - Antonio Ponciano nascido em 1845 , casado com Lucia Bezerra

2° - Francisca Ponciano´, nascida em 1848, casada com Domingos do Rosário.

3°- Maria Ponciano, nascida em 1850 casada com Manoel do Rosário.

4°- José Ponciano, nascido em 1856 casado com Maria das dores

5° - João Ponciano, nascido em 1858 casado Maria da conceição

6° - Ana Ponciano , casada com Manoel Lopes

Fonte: 1° Cartório de Apodi, Vide livro 2, fls. 55.

Geraldo Fernandes  é Pesquisador, historiador e membro da Academia Apodiense de Letras 

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Chico de Joca - ex-vereador


No dia 17 de junho de 2013, uma segunda-feira morre na cidade de Mossoró o ex-vereador Francisco Ferreira Do Rosário(Chico de Joca). O ex-vereador e agricultor, Chico de Joca nasceu no dia 25 de março de 1926, e tinha 87 anos quando estava internado há 08(oito) dias, no Hospital Tarcísio Maia em Mossoró, vítima de um acidente doméstico. Tinha residência no Sítio Poço de Tilon, na divisa dos municípios de Apodi e Felipe Guerra, 

Francisco Ferreira do Rosário foi um dos primeiros vereadores deste município, ocupou a vereança do ano de 1965 até o ano de 1975.  Além disso, ele foi Presidente da Câmara Municipal no biênio 1975/1976.

Foi candidato a prefeito pela extinta ARENA (Aliança Renovadora Nacional) em 1976, tendo como vice o então vereador José Ribamar de Souza com total apoio do grande líder político da época e primeiro prefeito desta cidade, Dr. Eílson Gurgel do Amaral. Na campanha  saíram vitoriosos Francisco Chagas da Silva, conhecido como Titico de Adelino (prefeito) e Raimundo Luciano da Costa Pascoal. 

Fonte: Pesquisador Geraldo Fernandes. 

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O 1º poço petrolífero de Felipe Guerra


No dia 13/12/1987 foi descoberto o 1° poço petrolífero do Município de Felipe Guerra, denominado de Poço Xavier, com área de desenvolvimento de 9,4 km². O Poço localiza-se na Bacia Potiguar, no município de Felipe Guerra, a cerca de 52 km a sudoeste da cidade de Mossoró, mas teve seu início de produção no dia 31/01/1988. 

O escoamento da produção de Poço Xavier se dá por oleoduto, até a Estação Coletora Central de Leste de Poço Xavier (ECC-LPX), onde ocorre a separação dos fluidos e processamento primário, juntamente com a produção de outros campos. 

Toda a produção de gás e óleo é enviada por dutos até a Unidade de Tratamento e Processamento de Fluidos (UTPF) no campo de Guamaré/RN. A Previsão de Término da produção é no dia : 30/07/2025 

Fonte da Informação: Sumário Executivo de Uso Externo – Campo de Poço Xavier
Por Geraldo Fernandes - pesquisador felipense 

domingo, 12 de fevereiro de 2017

José Barra Neto - ex-vereador


Por Geraldo Fernandes


José Barra Neto - Era casado com a Professora Maria Zenóbia de Oliveira Pinto(Lili Pinto), natural de Apodi, Filha do Capitão Miguel Ferreira Pinto e Izabel Zenóbia de Oliveira Pinto. José Barra Neto foi Politico de grande destaque na cidade Felipe Guerra. Chegou a ser Prefeito do Município, Vice-Prefeito, Vereador e Presidente da Câmara Municipal. No dia de 25 de Janeiro de 1951, José Barra Neto é empossado Vereador na Cidade do Apodi, sendo ele um dos vereadores mais atuantes na Câmara Municipal.

Deste casamento de José Barra Neto, com a professora(Lili Pinto), houve uma prole de 11 filhos. Vejamos os filhos Deles:

Raimundo Pinto Barra
José Pinto Barra (Zezito Barra)
Paulo Pinto Barra
Pedro Pinto Barra (Petroca)
Francisco de Assis Pinto Barra (Didi)
Pacifico Pinto Barra
Miguel Pinto Barra
Francisca Pinto Barra (Chaguinha)
Genoveva Pinto Barra
Maria Das Graças Pinto Barra
Iolanda Pinto Barra

FONTE: Vide Livro ‘’VELHOS INVENTARIOS DO OESTE POTIGUAR’


*Blog Santana Notícia 

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Haroldo Ferreira e Salomão Gomes são empossados Prefeito e Vice-Prefeito de Felipe Guerra


Em solenidade ocorrida neste domingo (1°), na câmara municipal de Felipe Guerra, Haroldo Ferreira e Salomão Gomes foram empossados Prefeito e Vice-Prefeito de Felipe Guerra. Antes da posse, aconteceu a eleição para a mesa diretora da câmara municipal, sendo eleito presidente para o biênio 2017 / 2018 o vereador Pedro Cabral Alves (Pedrinho de Albaniza), Vice-Presidente Luciano da Costa Pascoal (Ronaldo Pascoal), Marcos Áurelio 1° Secretário e Francisco Canindé de Menezes (Chicão) 2º Secretário.

Seguindo o rito da sessão, Prefeito e vice foram convidados para o plenário para fazer o juramento protocolar, momento que são bastante aclamados pelo público presente. Prefeito Haroldo Ferreira foi o primeiro a fazer o juramento, em seguida Salomão Gomes fez o dele. Após ambos fazerem o voto, o presidente da casa declarou-os empossados.


Em seguida, Salomão Gomes fez o seu primeiro discurso como vice-prefeito, em suas palavras, falou do novo desafio em ser vice e, do compromisso que firmou com a sociedade de Felipe Guerra quando eleito. “Honrarei cada compromisso firmado com a nossa sociedade, buscarei trazer sempre o melhor para todos”. Disse Salomão.

Pres da Câmara Pedro Cabral Pref Haroldo e o Vice Salomão

Haroldo, já como prefeito reeleito disse que ali não era momento de prestação de contas e sim de agradecimentos, o momento da prestação de contas seria na mensagem anual. Agradeceu a todos pelos votos que o levou a continuar como gestor do município e parabenizou o novo presidente da câmara, enfatizou ainda para que veio, disse ele. “ Eu não vim pra aqui pra ser prefeito, eu vim pra aqui, para ser gestor, eu vim para ser diferente, eu vim para fazer muito mais para o nosso povo, que ao longo de muitos anos foram esquecidos e nestes quatro anos já deixamos a nossa marca. Se o povo não entendesse a nossa mensagem nas ruas no pleito que passou, eu já saia com a consciência tranquila, do dever cumprido dos quatro anos que passei, mais não vai ficar por aí, queremos muito mais, porque vocês merecem, muito mais”.

*ASCOM de Felipe Guerra 

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Conheça as belezas naturais de Felipe Guerra


A Caverna de Trapiá, em Felipe Guerra, é uma das maiores do Rio Grande do Norte e uma das maiores do país, com 2.330 metros mapeados.

O estado tem 323 cavernas cadastradas pelo Cecav/ICMBio, em média com trezentos metros. O tamanho de Trapiá é mais de três vezes superior ao da segunda no ranking estadual, com 730 metros, e ultrapassa o de uma das maiores grutas do Nordeste, a Ubajara, no Parque Nacional de Ubajara (CE), com 2.200 metros.

Segundo pesquisadores da Universidade de São Paulo, a caverna descoberta em 2003 é a maior do Brasil em rochas formadas entre 144 e 65 milhões de anos atrás. Em seu interior há grande quantidade de fósseis de animais pré-históricos, como preguiças gigantes. A exploração também revelou "espeleotemas" incomuns, como helictites, velas e as primeiras flores de gipsita em cavernas do Rio Grande do Norte.

Fonte: O ECO - www.oeco.com.br

José do Patrocínio Barra, patrono de Escola Municipal

*Por Geraldo Fernandes 

Essa postagem é dedicada especialmente para  alunos e professora da  Escola que carrega o nome do mesmo, como também a todos os que passaram por aquela escola e não tiveram a oportunidade de ver pelo menos uma foto do Patrono daquela unidade educacional. Dedico também a todos da FAMÍLIA BARRA. 



JOSÉ DO PATROCINIO BARRA, patrono de escola Municipal em Felipe Guerra/RN. 

No dia 20 de agosto de 1882 nasce no Brejo do Apodi,  JOSÉ DO PATROCÍNIO BARRA, filho do Tenente Coronel da Ribeira do Apodi,  José de Sousa barra e  de Maria Egidia da Conceição. Casou-se com Antônia Mafalda do Patrocínio.

José do Patrocínio foi funcionário publico federal,  advogado prático e professor,  como também foi um homem de grande projeção politica na região. Faleceu em 30 de agosto de 1946 no Sitio Brejo, deixando os seguinte filhos:

1°JOANA DE FRETAS 
2°RAMIRO PAULO DO PATROCÍNIO
3°JOSÉ DO PATROCÍNIO BARRA

Fonte:   Informação Repassada por José Firmo do Patrocinio Neto. INFORMAÇÃO REPASSADA POR JOSÉ FIRMO DO PATROCÍNIO NETO 

*Por Geraldo Fernandes - Pesquisador da história felipense. 

sábado, 19 de novembro de 2016

Joel Canela - ex-vereador



Joel Canela de Oliveira, nascido no Sitio Santana, no município de Felipe Guerra, no dia 13 de julho de 1919, filho de Francisco Canela de Oliveira e Maria Alexandrina Canela. Joel foi um homem de grande destaque em Felipe Guerra/RN. Ocupou a Gerência dos Correios de Felipe Guerra. 

Foi eleito vereador de Felipe Guerra em 1976. Foi candidato a prefeito em 1982, perdendo para Raimundo pascoal. Foi candidato a vice prefeito em 1988, ao lado de Milton Soares perdendo para Hugo Costa. 

Umas das maiores paixão de Joel canela, era sem duvida andar  de motocicleta, por ironia do destino faleceu vitima de acidente de moto no dia 13 de outubro de 1990 em uma viagem que fazia para a cidade de mossoró. Como homenagem foi escolhido o seu nome, como patrono da Câmara Municipal de Felipe Guerra. Era o avô do ex-vereador Joel Canela e bisavô da vereadora Joedna Canela


Fonte: Geraldo Fernandes -Historiador, Pesquisador e membro da Academia Apodiense de Letras(AAPOL)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Antonio Francisco de Oliveira, patrono de escola

Foto: Antonio Francisco de Oliveira  - Patrono da Escola de nossa cidade. 

O Tenente Manoel João de Oliveira, era filho do capitão Manoel da Costa Travassos e de Maria Leandra Martins de Mácedo. Casou-se com Antônia Maria de Jesus, filha do Alferes José Fernandes Pimenta, que residia no Sítio Brejo do Apodi pertencente nas "Datas do Boqueirão",  onde eram proprietários.  Abastado teve vários filhos entre eles o Tenente Coronel Antonio Francisco de Oliveira que nasceu no Sítio Brejo do Apodi,  no dia 10 de dezembro de 1784, e faleceu em 19 de março de 1871, deixou numerosa família.  Antonio Francisco de Oliveira teve 25 filhos ao todo, entre seus três matrimônios uma de suas filhas chamava-se Caetana Gurgel de Oliveira,  a mesma casou com seu tio Tibúrcio Valeriano Gurgel do Amaral. 

Fonte:  Livro Caraúbas Centenária,  de Raimundo Soares de Brito
Por Geraldo Fernandes - Pesquisador felipense.

domingo, 13 de novembro de 2016

Origem da Família Ramalho

Por Geraldo Fernandes 

Brasão da Família "Ramalho" 

A Família Ramalho é uma antiga e importante família, de origem portuguesa, estabelecida em São Paulo, para onde passou João Ramalho, de Viseu, Capitão Mor de São Paulo, 1562, filho de João Vieira Maldonado e de Catarina Afonso. Casado em Portugal, em 1510, com Catarina Fernandes, chegou à S. Vicente, antes de 1513. Fundador, em 1550, da povoação de Santo André da Borda do Campo. A nobreza paulista se entrelaça na descendência de João Ramalho, que teria vivido mais de 90 anos. João Ramalho foi descrito por escritores, cronistas e cartas de jesuítas. O soturno degredado fugitivo ou náufrago João Ramalho tinha, entre muitas concubinas, a índia Bartyra, portanto sem o controle de registro. Dizem os historiadores que algum membro dessa família veio para Pernambuco e depois para a Paraíba e Rio Grande do Norte. 

A Família Ramalho na nossa região tem suas origens em José Ramalho do Espirito Santo pois o mesmo recebeu uma data de Sesmaria na Várzea do Apodi em 13 de agosto de 1783, essa dita data está encravado na antiga "DATA DE SOBRA DO RAMALHO”, como era conhecida a partir dai a família se espalhou para toda região especialmente no sitio Língua de Vaca e Pedra de Abelhas, e Caraúbas. 

(FONTE: SESMARIAS DO RN - 4º Volume - Coleção Mossoroense/ FVR - Março de 2000

COMO A FAMÍLIA RAMALHO CHEGOU AO DISTRITO DE PEDRA DE ABELHA?

Nos fins do século XX, o jovem Valério Pedro ramalho, que era filho de Manoel Pedro Ramalho e Maria Procópio da Conceição  nascido no Sitio Língua de Vaca, pois Valério Pedro veio para o Distrito de Pedra de Abelha , formando um matrimonio com Maria Marques de Sena , sendo ela filha de Sebastião de Sousa Barra e Capitolina Marques de Sousa. Acontece que a mulher de Valério Pedro ramalho, Dona Maria Marques de sSena faleceu no Sitio Boqueirão no dia 18-6-de 1915, deixando os seguinte filhos:

1°Sebastião José Ramalho 
2° Tereza 
3° Cândido José Ramalho 
4° José batista ramalho 
5° Maria Salomé ramalho 
6° Isauro 
7° Raimunda 
8° Amélia 
9° Sebastiana 
10° Alzira 
11°Luísa

Fonte:  Registro de Óbitos de 1915 (fls ,68,69 v)

*Geraldo Fernandes é Historiador e pesquisador

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

História da Igreja de Cristo em Santana

*Por Geraldo Fernandes


Igreja de Cristo do Sítio "Santana", em Felipe Guerra/RN. Foto: Edvaldo Barbosa 

A Igreja de Cristo no Brasil conhecida também somente como Igreja de Cristo teve início no Nordeste, na cidade de Mossoró (Rio Grande do Norte). Organizada em 13 de dezembro de 1932 por membros oriundos da Assembleia de Deus naquela mesma localidade, os quais entregaram suas credenciais de ministros àquela Igreja, por discordarem de determinados pontos doutrinários.

A denominação surge de uma divergência entre os dois missionários da Assembléia de Deus no Nordeste (Samuel Nysrtron e Gunnar Vingren) com respeito a salvação pela graça por meio da fé, sem a necessidade de méritos próprios (ou seja: sobre se é necessário fazer algo a mais do que acreditar em Jesus Cristo para ser salvo), e a segurança eterna do crente genuíno. A divergência foi evidenciada em algumas publicações, a qual se tornou tema de convenções.

Com essas publicações contraditórias um grupo de religiosos elegeu o Pr. Manoel Higino de Souza, para fazer uma carta ao missionário Nils Kastberg, pedindo para marcar uma convenção onde ele achasse melhor, a fim de que estudassem esses pontos doutrinários.

Enviaram, então, uma carta solicitando a convenção. Em 20 de maio um grupo de dissidentes passou a se reunir em Mossoró para estudos bíblicos, oração e outras práticas, esperando uma resposta divina. Somente em 13 de dezembro de 1932 receberam uma carta, assinada pelo missionário Nils Kastberg, negando a realização da convenção. Na carta o sacerdote dizia “estar de acordo com os ensinos da salvação condicional, e quem estivesse aborrecido que saíssem para onde quisessem...” .

Diante do impasse, diversos pastores, presbíteros e evangelistas resolveram entregar suas credenciais de ministros e fundaram, no mesmo dia, a nova instituição. Inicialmente a denominação surge com o nome de Assembléia de Cristo e em 1934 passou ao nome definitivo de Igreja de Cristo. Para que os membros não confundissem Igreja e Templo os líderes da igreja decidiram usar o nome de Casa de Oração da Igreja de Cristo na frente dos templos. 

Os Líderes iniciais

Pastores:

- Manoel Higino de Souza
- João Vicente de Queiroz
- Gumercindo Medeiros
- Eustáquio Lopes da Silva

Presbíteros:

- Cândido Barreto
- Tomaz Benvindo

Evangelistas:

- João Morais
- Domingos Barreto
- Francisco Alves 

A Igreja de Cristo

Fundação da Igreja de Cristo no Sitio Santana

Depois da divisão da Assembleia de Deus em Mossoró, os Lideres Manoel Higino de Souza - João Vicente de Queiroz- Gumercindo Medeiros- Eustáquio Lopes da Silva , vieram várias vezes no Sitio Santana, afim de construir um templo evangélico na dita comunidade, acontece que somente no final de 1939  é que os lideres da Igreja de Cristo , finalmente encontrou no Sítio Santana a resposta positiva para que foce construída o templo evangélico. 

Como todos sabe a igreja de Cristo da Comunidade de Santana é a quarta Igreja de Cristo mais velha do Brasil, teve ela seu inicio de construção em 1940, pelo construtor Antonio Caboclo, mas somente no dia 28 de agosto de 1946 é que se realizava o primeiro culto evangélico no novo templo. Os fundadores dessa igreja na nossa comunidade foram: (João Cassimiro "Juá",) Aristides Barbosa, Thiago Valentim, Manoel de Líbano, Abel Gomes Duarte, Manoel Valentim Sobrinho. Acontece que a enchente do ano de 1961,  mais precisamente no dia 12 de abril daquele ano,  por volta das 12 horas do dia,  a Igreja de Cristo não suportou a cheia e caiu.

O RECOMEÇO

Quando as águas baixaram, os crentes e os moradores da comunidade aproveitaram as telhas, as carnaúbas e os tijolos e construíram um novo templo, onde de pronto o proprietário Mundinho de Paulo, fez doação do terreno, e no dia 28 de janeiro de 1961 o novo templo já estava de pé para ser reinaugurado e o pregador foi o pastor Pedro Queiros.

*Geraldo Fernandes é Pesquisador e Historiador felipense. 

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Logomarca do segundo governo de Braz Costa(2009-2012)

Prefeitura de Felipe Guerra "Trabalhando Sempre", logomarca do segundo governo de Braz Costa, prefeito de Felipe Guerra de 2009 a 2012.